A comissão técnica do Voleibol









A importância de uma comissão técnica na preparação da equipe valoriza os conhecimentos específicos de diferentes áreas. A equipe técnica é dividida em: o técnico, o assistente técnico, os auxiliares técnicos, o preparador físico, o médico, o fisioterapeuta e o estatístico. Porém, deve haver um número ideal de integrantes, pois se há poucas pessoas o trabalho será maior, e se houver excesso de integrantes, haverá divisões de trabalho desnecessárias.

O técnico é aquele que exerce as atividades técnicas, tendo autoridade para optar pela divisão do treinamento, formação técnica dos atletas e escolha das táticas da equipe. É ele que planeja o trabalho da temporada, elaborando os objetivos de acordo com o tempo e os meios disponíveis.

O assistente técnico é aquele que deve ter conhecimentos eficientes do voleibol para dividir responsabilidades com o técnico em treinamentos e jogos e também discutir alternativas técnicas, táticas e pedagógicas. Deverá ter habilidade com a bola e ter noção exata de ritmo de trabalho, podendo comandar qualquer tipo de treinamento.

Os auxiliares técnicos devem saber executar todos os fundamentos para auxiliar nos treinos, ocupando lugares de jogadores impossibilitados, principalmente nas ações de fundo da quadra. Estes auxiliares não devem exceder o número de dois membros e geralmente são ex-atletas, alunos do curso de Educação Física e técnicos das categorias de base.

O preparador físico é responsável pelo aquecimento pré-jogo, cobrando a concentração da equipe. Durante o jogo, deverá estar preocupado quanto ao desempenho físico e orientar os reservas, mantendo-os aquecidos para qualquer pedido de substituição do técnico. Após o jogo, é ele que exige o alongamento final e auxilia no relaxamento.

O médico, que dificilmente é um cargo ligado somente ao voleibol. O ideal é a presença de um para qualquer eventualidade e que este tenha especialização em medicina esportiva. É aquele que orienta a prevenção de contusões, trata os contundidos, avalia e requisita exames.

O fisioterapeuta é imprescindível atualmente em uma equipe, devido à carga de treinamento que os jogadores são submetidos. Ele deve estar interagindo com o médico e o preparador físico, sempre sendo informando sobre o tratamento, a evolução do quadro clínico e os procedimentos que complementem a fisioterapia. Deve ter uma boa relação com os atletas, pois deve relatar sobre os tratamentos realizados e não realizados para o técnico, a fim de preservar a integridade da equipe.

E, por último e não menos importante, o estatístico, que deve ter conhecimentos sobre o voleibol e de informática. Este último é quem discutirá com o técnico o que será abordado, e partir daí, após o jogo, os dados obtidos serão repassados, tentando analisar o adversário e os erros do próprio time. Percebemos assim, a importância de cada tarefa e de cada cargo de uma equipe técnica. Nas categorias de base, como por exemplo, a infanto-juvenil que será analisada neste estudo, geralmente há somente um técnico para todas essas funções, gerando assim uma sobrecarga de tarefas que com certeza afeta negativamente os resultados de uma equipe

Comente:

Nenhum comentário